16 de Setembro de 2008

 
 
                         Ver num grão de areia um mundo
                          numa flor o céu profundo;
                          ter na mão a infinidade,
                          num minuto a eternidade...
 
                          O morcego volita
                          pela noite, esse acredita;
                          mas a coruja que grita
                          porque não crê anda aflita...
 
                          Olha a dor: é um tecido
                          com a alegria: um vestido
                          para a alma. Sob a dor
                          sempre a alegria anda à flor...
 
                          Cada lágrima chorada
                          torna-se em criança alada...
 
                          Balir, uivar - que sei eu?
                          ondas a bater no céu...
 
                          Quem duvida do que vê,
                          Por mais que faça, não crê.
                          Olha o sol, se duvidava:
                          Logo, logo se apagava...
 
                          Deus é clarão na amargura
                          das almas da noite escura;
                          veste o manto de Jesus
                          para as que vivem à luz.
 
                                  Trad.: Luiz Cardim           
 
William Blake       
(1757-1827)            
publicado por subterraneodaliberdade às 12:38
Vim cá espreitar, gostei, gostei muito aliás.
Voltarei!

beijocas
Ana Camarra a 18 de Setembro de 2008 às 18:03
pesquisar neste blog
 
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
24
27
arquivos
Nota Subterrânea
Os artigos públicados da autoria de terceiros não significa que o subterrâneo concorde na integra. Significa que são merecedores de reflexão.
links
blogs SAPO