26 de Setembro de 2008

 
 
                         Não desesperes, Mãe!
                         O último triunfo é interdito
                         Aos heróis que o não são.
                         Lembra-te do teu grito:
                         Não passarão!
 
                         Não passarão!
                         Só mesmo se parasse o coração
                         Que te bate no peito.
                         Só mesmo se pudesse haver sentido
                         Entre o sangue vertido
                         E o sonho desfeito.
 
                         Só mesmo se a raiz bebesse em lodo
                         De traição e de crime.
                         Só mesmo se não fosse o mundo todo
                         Que na tua tragédia se redime.
 
                         Não passarão!
                         Arde a seara, mas dum simples grão
                         Nasce o trigal de novo.
                         Morrem filhos e filhas da nação.
                         Não morre um Povo!
 
                         Não passarão!
                         Seja qual for a fúria da agressão.
                         As forças que te querem jugular
                         Não poderão passar
                         Sobre a dor infinita desse não
                         Que a terra inteira ouviu
                         E repetiu:
                         Não passarão!
 
Miguel Torga  
(1907-1995)    
 
publicado por subterraneodaliberdade às 21:14
pesquisar neste blog
 
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
24
27
arquivos
Nota Subterrânea
Os artigos públicados da autoria de terceiros não significa que o subterrâneo concorde na integra. Significa que são merecedores de reflexão.
links
blogs SAPO