28 de Setembro de 2008

 
 
     Estes 85 momentos da história do PCP são também momentos inseparáveis da luta dos trabalhadores e do Povo Português.(...)
 
 
III Congresso do PCP - (I Ilegal)
 
 
     De 10 a 13 de Novembro de 1943 - num momento em que os exércitos nazis ainda dominavam a Europa e a ditadura salazarista sufocava o País com métodos extremos de privação de liberdade - o PCP realiza o seu III Congresso - o 1º clandestino. As sessões decorrem na vivenda Vila Arriaga, no Monte Estoril - Cascais, com a presença de 17 delegados. São aprovados os documentos: "Unidade da Nação Portuguesa na Luta pelo Pão, pela Liberdade e Independência"; "O Partido e as Grandes Greves de 1942 e 1943"; "Tarefas de Organização"; "A Actividade do Grupelho Provocatório"; e "Pela Liberdade e pela Democracia, pela Salvação da Jovem Geração da Miséria Económica e Cultural".
     O III Congresso marca uma grande viragem na história do Partido. A partir daí - apesar das ferozes arremetidas da prisão e dos duros golpes sofridos - O PCP conseguiu garantir a estabilidade e a continuidade do seu trabalho de direcção, o constituiu uma das fontes dos seus êxitos, da sua capacidade e experiência política, da sua actuação e orientação.
     Neste Congresso o PCP afirmou o princípio, desde então rigorosamente cumprido, de garantir o máximo respeito pelos métodos democráticos na vida interna do Partido.
 
 
     "A juventude desempenha um importante papel no movimento de unidade nacional antifascista. A juventude traz ao movimento antifascista a sua audácia, a sua fogosidade, o seu entusiasmo.
     "[...] Mas seria um erro considerar o movimento antifascista da juventude somente sob este aspecto da sua participação no movimento de unidade nacional. A juventude tem interesses próprios a defender, tem reivindicações próprias a formular. Devemos fazer todos os esforços para criar em Portugal amplos movimentos juvenis, movimentos e lutas que visem defender os interesses próprios da juventude."
         (in Informe Político)
 
     "Hoje podemos constatar que o nosso Partido se tornou um Partido nacional pela sua organização e pela influência crescente nas nossas organizações entre as massas. Hoje, o nosso Partido pode contar já com uma centena de organizações locais e regionais e, nos grandes centros, com umas dezenas de celulas de empresa."
         (in Informe sobre Tarefas de Organização)
 
     "É necessário lançarmo-nos decididamente a uma acção em larga escala para converter os Sindicatos Nacionais, de organismos defensores dos interesses do patronato, em organismos defensores dos interesses da classe operária."
         (in Resolução sobre a Questão de Organização)
 
    
publicado por subterraneodaliberdade às 01:36

UM PARTIDO INDISPENSÁVEL .....ABRAÇO!
jorge a 28 de Setembro de 2008 às 01:49
Aí temos, então, o grande partido da resistência antifascista, da democracia, da liberdade...

um abraço.
fernando samuel a 28 de Setembro de 2008 às 10:25
Camaradas
É urgente tornar conhecido que o PS pela mão de Mário Soares assassinou em 25 de Novembro de 1975 o 25 de Abril de 1974.
Pode-se afirmar. é público!
O PS usurpou o nome Socialismo utilizando-o como máscara do Fascismo que em si o PS assumiu.
Visita o meu blogue e compreenderás.

A REVOLUÇÃO ESTÁ EM MARCHA
APENAS O VOTO NA CDU EM 2009 LIBERTARÁ EM DEFINITIVO PORTUGAL DO JUGO EM QUE VIVE HÁ 33 ANOS.

Ouss
Sensei a 29 de Setembro de 2008 às 02:04
pesquisar neste blog
 
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
17
24
27
arquivos
Nota Subterrânea
Os artigos públicados da autoria de terceiros não significa que o subterrâneo concorde na integra. Significa que são merecedores de reflexão.
links
blogs SAPO