10 de Outubro de 2008

 
 
                   Vem, camarada, vem
                   Render-me neste sonho de beleza!
                   Vem olhar doutro modo a natureza
                   E cantá-la também!
 
                   Ergue o teu coração como ninguém;
                   Fala doutro luar, doutra pureza;
                   Tens outra humanidade, outra certeza:
                   Leva a chama da vida mais além!
 
                   Até onde podia, caminhei.
                   Vi a lama da terra que pisei
                   E cobri-la de versos e de espanto.
 
                   Mas, se o facho é maior na tua mão,
                   Vem, camarada irmão,
                   Erguer sobre os meus versos o teu canto.

 

 

 

 Miguel Torga
(1907-1995)

 

publicado por subterraneodaliberdade às 23:01
Belo poema do Torga
Obrigado.


Um abraço.
fernando samuel a 11 de Outubro de 2008 às 13:11
pesquisar neste blog
 
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
arquivos
Nota Subterrânea
Os artigos públicados da autoria de terceiros não significa que o subterrâneo concorde na integra. Significa que são merecedores de reflexão.
links
blogs SAPO