20 de Setembro de 2018

1. Para o PCP a valorização das longas carreiras contributivas, traduzida no direito à reforma sem penalizações e indepentemente da idade, para os trabalhadores com 40 e mais anos de descontos para a Segurança Social, representa a efectivação de um direito para os que trabalharam ao longo de uma vida e cumpriram ao longo dela os seus compromissos para com o financiamento do regime contributivo do Sistema Público através dos seus descontos e contribuições.

A efectivação deste direito é indissociável da valorização do trabalho e dos trabalhadores e do papel insubstituível da Segurança Social Pública e universal na garantia de direitos quer para os trabalhadores, quer para todos os portugueses.

Independentemente da idade, é uma evidência que 40 anos de trabalho e de descontos para a Segurança Social representam uma vida, na vida dos trabalhadores, a maioria dos quais sujeitos ao aumento da exploração, por via da desregulação da legislação laboral, dos ritmos de trabalho, da manutenção de baixos salários.

As muitas centenas de cartas que são dirigidas ao PCP e ao seu grupo parlamentar por parte dos trabalhadores que continuam excluídos do acesso à reforma antecipada reflectem o legítimo sentimento de injustiça dos que cumpriram as suas obrigações para com o financiamento do regime previdencial. Cumprimento que contrasta com os que, com a impunidade garantida por sucessivos governos, acumularam uma dívida à Segurança Social de milhares de milhões de euros que não cessa de se ampliar (em 2017 aumentou 234 milhões de euros!).

Como, igualmente, injustiçados se sentem muito justamente, milhares de mulheres e homens que em consequência da política de direita e da sua subordinação às orientações da União Europeia, foram atiradas para o desemprego, sem retorno, e que continuam a ser duramente penalizados na passagem à reforma. Trabalhadores que foram considerados “velhos” para trabalhar e “novos” para se reformarem sem penalizações. Todos estes trabalhadores têm razão e por isso o PCP não abandona o seu compromisso para com eles!

2. O Governo minoritário do PS mantém por cumprir os seus próprios compromissos. Recorde-se que em Maio de 2017 o Governo tinha apontado a 2.ª fase da Revisão do Regime de Reformas antecipadas para entrar em vigor a partir de 1 de Janeiro de 2018. Esta abrangeria, segundo a sua proposta, os futuros pensionistas com 63 ou mais anos e a 3.ª fase, que se alargaria aos futuros pensionistas entre os 60 e os 62 anos, a entrar em vigor a partir de Janeiro de 2019. A verdade é que estes compromissos não foram cumpridos.

Recorda-se que a primeira fase deste processo foi concretizada em Outubro do ano passado (DL 126-B/2017, de 6 de Outubro), eliminando as penalizações por reforma antecipada para os trabalhadores com idade igual ou superior a 60 anos e com carreiras contributivas iguais ou superiores a 48 anos ou que tendo 46 anos ou mais de descontos, tivessem iniciado a sua carreira contributiva com 14 anos.

As medidas implementadas a partir de Outubro próximo são tão só um aditamento relativamente à primeira fase abrangendo apenas os trabalhadores (cerca de dois mil) que com idades igual ou superior a 60 anos e com pelo menos 46 anos de carreira contributiva, tenham iniciado a sua carreira contributiva aos 16 anos ou idade inferior.

Ainda assim, mesmo correspondendo apenas a uma pequena parte da 2º fase que o governo apresentou para 2018, ela só foi possível antecipar de Janeiro de 2019 para Outubro deste ano pela determinação e insistência do PCP.

O caminho iniciado, com a implementação destes dois diplomas, representa o reconhecimento de um importante direito para o universo de trabalhadores com muito longas carreiras contributivas e que cumprem os requisitos legais. Representa um passo adiante para os que começaram a trabalhar em idades consideradas hoje como trabalho infantil, matéria que o PCP, desde a primeira hora considerou dever estar incluída no diploma aprovado pelo governo em 2017.

Os passos dados, positivos para o universo dos que deles vão beneficiar (cerca de 15 mil), não correspondem nem ao que o PCP considera justo e necessário, nem tão pouco às expectativas que o governo criou em torno da valorização das longas carreiras contributivas.

Mas, para o PCP, o caminho iniciado, embora sendo positivo, torna mais evidente, perante o seu limitado alcance, as lacunas por preencher, as situações de desigualdade entre trabalhadores que tendo longas carreiras contributivas continuam sujeitos às pesadas penalizações resultantes do factor de sustentabilidade, bem como os desempregados de longa duração.

3. O PCP continuará a intervir para que o governo cumpra os seus compromissos e não abandonará a afirmação do valor das suas iniciativas legislativas apresentadas na Assembleia da República no que concerne:

- à valorização das longas carreiras contributivas, garantindo o acesso à pensão sem penalizações e independentemente da idade, aos trabalhadores que completem 40 anos de desconto;

- à revogação do factor de sustentabilidade e a reposição da idade legal de reforma aos 65 anos;

- à revisão das regras de acesso à reforma antecipada por desemprego de longa duração (garantindo designadamente a eliminação da aplicação do factor de sustentabilidade, o alargamento do número de beneficiários e a elevação dos montantes das pensões resultantes deste regime através da aplicação das regras de definição do valor mínimo de pensão em função da carreira contributiva);

- à eliminação das penalizações a trabalhadores que já estando reformados tenham entretanto atingido (ou venham a atingir) a idade normal de acesso à pensão de velhice e para os trabalhadores que à data do acesso à reforma antecipada preenchessem os requisitos previstos no Decreto-Lei n.º 126-B/2017, de 6 de outubro.

4. A evolução positiva das receitas do regime previdencial da Segurança Social é inseparável do caminho iniciado de reposição de direitos e rendimentos dos trabalhadores e do seu impacto positivo na capacidade do sistema em aumentar o seu nível de receitas. O saldo da Segurança Social de 1765 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, que representa uma melhoria de 179 milhões de euros em relação ao período anterior, expressa o crescimento de contribuições e quotizações resultante do aumento do emprego e do valor médio das remunerações declaradas.

Estes dados evidenciam e são prova que a Segurança Social, pública e universal está em condições de gerar e multiplicar as receitas que são devidas ao regime previdencial para responder ao aumento de despesas com a efectivação dos direitos de Segurança Social devidos aos trabalhadores assim como evidenciam que essa consolidação financeira é indissociável do crescimento económico, da criação de mais emprego e da valorização dos salários e do aumento do Salário Mínimo Nacional.

O aumento da receita da Segurança Social, possível e concretizável, dá sustentação a mais e importantes respostas a direitos de Segurança Social no âmbito do regime previdencial do trabalhadores. Uma trajectória de aumento de receita que pode ainda ser consolidada por via do combate à dívida e à evasão de contribuições, mas igualmente, com a necessária diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, que PS, PSD e CDS teimam em rejeitar como ficou patente com a votação do projecto do PCP em Julho passado.

O PCP continuará a intervir pela diversificação das fontes de financiamento do Sistema Público ampliando, por essa via, as potencialidades de aumento das suas receitas, indo mais longe na garantia de mais e melhores direitos de Segurança Social para todos os portugueses.

 

publicado por subterraneodaliberdade às 22:54

Carla Cruz em declarações à porta do Hospital de São José, afirmou que o PCP está solidário com a greve nacional de enfermeiros e com a luta que estes profissionais de saúde têm vindo a desenvolver, adiantando ainda que "o PCP vai amanhã, na Assembleia da República por requerimento do PCP, questionar o Ministro da Saúde no sentido de obrigar a clarificar quais são as intenções verdadeiras do Governo para o SNS, quando é que o Governo vai cumprir o que está estipulado no Orçamento de Estado relativamente às progressões das carreiras, entre outros assuntos.

 

 

publicado por subterraneodaliberdade às 22:48

Em 2016, por proposta do Partido Comunista Português (PCP), foi consagrado a gratuitidade dos manuais escolares para os alunos que iniciavam a vida escolar no ano lectivo 2016/2017, medida alargada, no ano seguinte, a todo 1º ciclo do ensino básico, foram abrangidos cerca 350 mil alunos.

Nunca abandonando o objectivo da gratuitidade dos manuais escolares, o PCP propôs para 2018 o alargamento da gratuitidade aos alunos de 2º ciclo do ensino básico. Pela primeira vez, as crianças do 1º ao 6º ano de escolaridade, mais de 520 mil, têm direito de obter gratuitamente os manuais escolares.

Na certeza que esta proposta dá expressão ao princípio que a Constituição da República Portuguesa consagra e que é um elemento constitutivo da valorização da Escola Pública, o PCP inscreve no próximo Orçamento de Estado o objectivo de alargamento da gratuitidade dos manuais escolares para os 12 anos de escolaridade obrigatória.

A concretização deste objectivo é um investimento seguro do Estado para o futuro, com implicações positivas no desenvolvimento social e económico do país que, a par de outras medidas de valorização da escola pública, não pode ser limitado por visões economicistas.

Esta proposta ganha importância acrescida quando se verifica que Portugal é hoje um dos países da União Europeia onde as famílias têm mais custos com a educação. Segundo dados do INE e recentes notícias sobre as despesas familiares com “o regresso às aulas” as famílias portuguesas gastam, em média, mais de 500 euros. Se juntarmos o facto 23% dos trabalhadores auferir o salário mínimo nacional (580,00 €), facilmente se conclui a importância da proposta do PCP no aliviar do orçamento familiar.

Apesar da importância da gratuitidade dos manuais escolares, o PCP discorda na forma da sua implementação. A obrigatoriedade imposta aos pais e encarregados de educação, sob compromisso de honra, de devolução dos manuais em bom estado de conservação sob pena pagamento integral é uma imposição inaceitável, tanto mais atendendo aos graus de escolaridade envolvidos. São conhecidos exemplos de famílias que adquirem os manuais escolares para afastarem as imposições do Governo, que reflectem as pressões exercidas pelas editoras que dominam o mercado dos livros escolares.

Assinala-se a manhosice das editoras que convencionaram, durante 4 anos, com o Governo a manutenção dos preços dos manuais, indexado só à inflação, tornearam o acordo com o aumento significativo dos livros de fichas, alguns mais caros do que o próprio manual. Manhosos!

A cedência definitiva dos manuais escolares é a solução que permite que fique garantido que, na sua relação com o livro, o aluno não fica condicionado. O livro impresso é a ferramenta mais utilizada e eficaz no processo de aprendizagem, é a ferramenta do aluno que lhe permite o desenvolvimento das suas capacidades, do seu conhecimento, bem como, adquirir uma atitude critica em relação ao que lhe é transmitido.

A composição da Assembleia da República e a influência do PCP têm permitido defender, repor e conquistar direitos, a gratuitidade dos manuais escolares é a prova política que a força do PCP é determinante para romper com a política de direita que conduz o país ao desastre.

Barcelos, 16 de Setembro de 2018

Mário Figueiredo – Militante do PCP

 

mw-860.jpg

 

 

publicado por subterraneodaliberdade às 21:11
13 de Setembro de 2018

Avante! o jornal que deu o nome à Festa. Festa do Avante!

A Festa que desde a 1ª edição (1976) o capital tentou travar impondo obstáculos à sua construção. A Festa respondeu fixando (1990) morada na Atalaia. Atalaia nome apropriado para a “casa” de uma Festa de um Partido atento, vigilante, que alerta os trabalhadores e o Povo.

A Festa que o miserabilismo da comunicação social omite, insulta, falseia, reduz aos agrupamentos festivos entre Caminha e o Pontal, afirma que é a resposta tardia aos partidos que entraram de férias e necessitam de rentrée, insinua mais um festival inferior ao das telecomunicações ou cerveja onde só participa a terceira idade. A Festa responde juntando mais espaço: a Quinta do Cabo. A Festa cresce, está enorme e mais participada. A Festa é magnífica.

A Festa do Avante! é o maior acontecimento cultural, organizado anualmente, em Portugal.

A Festa é militância, construída pelos comunistas e amigos do PCP para os Trabalhadores e o Povo Português. Na Festa o vestido de gala, o salto alto e a carteira Vuitton nada significam, afastados pela simplicidade, pela franqueza, pelo convívio fraterno de convivas que têm um ideal comum: a igualdade entre os Homens. No Avante! a passadeira vermelha pertence aos trabalhadores.

A Festa é alegria impulsionada pelas crianças e a juventude que saltam, dançam, cantam e riem ao som contagiante da Carvalhesa. A Festa rejuvenesce.

A Festa é desporto, ecléctico e saudável, muito para além da indústria futeboleira, envolvendo milhares de atletas de todas as idades. A Festa ganha músculo, respira saúde.

A Festa é gastronomia, infinidade de cheiros e sabores regionais, nacionais e internacionais, do choco frito ao ensopado de borrego, do bacalhau de cebolada à caldeirada de enguias, da posta arouquesa à matapa moçambicana, do verdasco ao madura alentejano, do pisco chileno à aguardente de medronho, do vinho do porto ao moscatel, das clarinhas de fão à tigelada, do queijo de Azeitão ao salpicão das beiras. A Festa recusa ser insossa.

A Festa é cinema, teatro, dança, ciência, música, livros, concertos da orquestra sinfónica ao grupo heavy-metal, exposição das mais diversas artes plásticas, ateliês e debates sobre os mais variados temas culturais. A Festa é culta.

A Festa é arte popular, dos Bonecos de Santo Aleixo ao Canto Alentejano, passando pelas diversas expressões culturais populares. Destaque para a forte presença do figurado barcelense com a exposição de centenas de peças de vários artesãos barcelenses, reforçando a divulgação da arte popular barcelense. A Festa é popular.

A Festa é internacional com a participação de diversas delegações estrangeiras que divulgam os seus costumes, tradições, cultura e as suas potencialidades e anseios. A Festa promove debates e conferências em defesa da Paz, pelos direitos dos Palestinos, do Sahara Ocidental, dos povos Africanos, do direito à liberdade e democracia na Ucrânia fascista, no Brasil, na Colômbia, na defesa da Venezuela Bolivariana e da Cuba Socialista. A Festa é solidária.

A Festa é política, organiza conferências, debates, fóruns sobre todos os temas da vida nacional, com os momentos altos os comícios do PCP de abertura e encerramento da Festa, na defesa dos salários, pensões, serviços públicos, saúde, escola, etc… No Avante! as palavras cantadas “a Paz, o Pão, Habitação, Saúde e Educação, só há liberdade a sério… quando pertencer ao Povo o que o Povo produzir” não são palavras vazias. A Festa é luta.

A Festa é alternativa, pela luta, construção e afirmação do socialismo, na defesa do Marxismo-Leninismo, com o momento central a Comemoração do II Centenário do Nascimento de Karl Marx, pelo combate ao capitalismo, à exploração, à barbárie. A Festa é comunista.

A Festa é o novo contra o velho, contra as fórmulas caducas e contraditórias do capital. A Festa é o futuro pois nele projecta os valores de Abril. A Festa é diferente por que é organizada por um partido diferente: O Partido Comunista Português.

Festa do Avante! não há Festa como esta.

 

Mário Figueiredo

 

 

 

a.jpg

 

publicado por subterraneodaliberdade às 21:07
pesquisar neste blog
 
Setembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
arquivos
Nota Subterrânea
Os artigos públicados da autoria de terceiros não significa que o subterrâneo concorde na integra. Significa que são merecedores de reflexão.
links
blogs SAPO